galdinoalves

poesias

Textos


PELEJA DE VIOLEIRO CANTADOR

Cabra pra cantar comigo,
Lave a boca com sabão,
pois a minha foi lavada
Com gordura de capão,
Pois eu sou um cabra asseado.
E pra cantar sou campeão.

_Eu vou logo lhe avisando,
Lave a sua com mel de abelha,
Pois a minha está lavada
Com a gordura de ovelha,
Mas assim que eu lhe avisei
Sua cara ficou vermelha!

_Cantador como você
Eu não chamo cantador,
é um pinto veio goguento
Quando vem do ciscador
trazendo um fedor nojento
do monturo que ciscou.

_Você está enganado,
Por que pinto eu já não sou,
Já faz tempo que sou galo,
Que no seu terreiro andou,
E peguei sua mãe galinha,
Pois sou um galo cantador!

Barreiras-BA- 21-01-2019
Antônio Galdino.
Antonio Galdino
Enviado por Antonio Galdino em 04/02/2019


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras