galdinoalves

poesias

Textos


EU VOU VOLTAR E JOGAR,
QUERO DÁ A VOLTA POR CIMA.

 
Eu vou voltar vocês podem me acreditar, eu vou dá a volta por cima, pois não é qualquer coisa que me desanima. Eu ainda tenho cartas na manga, eu não caio em blefe, nem sou de soltar a franga. Sou bom de briga, nunca fui de desistir, não gosto de entrar, mas quando eu entro pago caro para não sair. No jogo da vida, ninguém pode errar, pois só vence quem melhor souber jogar. Fora disso é golpe, e isso não é justo, quando o correto é ter proposta de jogo e saber competir, pois para ganhar tem que saber jogar. Nessa arte eu sou craque de montão. Eu sou o número um   da nossa seleção, a minha especialidade é jogar pela esquerda e no  ataque, pois assim fica fácil de eu driblar e  ganhar dos caras da direita. Eu estou sempre na área, e não tem perna de pau que me marque, e se me empurrar é pênalti, a regra é clara, mas tem juiz cara de pau, prepotente, um tremendo babaca, mau caráter que interpreta mal as regras e se vende facilmente. É a vergonha dá sua categoria, mas se acha o tal, o dono da verdade, mas no fundo, no fundo, é um poço de pura falsidade. Faz e acontece, comete bobagem, apita o que não deve e fica devendo na arbitragem, mas isso é de propósito, para favorecer a quem lhe paga. Não sou eu quem diz, são os entendidos no assunto, e também os convictos, pois agora virou moda, mesmo que não se tenha prova, mas se tiver convicção, pode rasgar a regra, pois ela existe apenas para figurar. E se a torcida se irrita e parte para a agressão verbal e física, ele não está nem aí, assina a súmula e some. Mas comigo não tem essa não, seja qual for o juiz, eu encaro, pois eu quero é jogar a minha bola e ganhar o jogo, pois tem gente pagando caro para assistir o meu show, seja no gramado ou no salão, vou marcar gol de placa e correr para os braços da torcida organizada e curtir o gol com emoção. Eu estou contundido, mas eu vou me recuperar e vou voltar a jogar, pois eu quero concorrer às seleções e mostrar para o mundo que este é o meu jogo a minha vida, e no jogo da vida eu sempre fui campeão, e não vai ser agora que a sorte vai me virar às costas e me dá um não!
Barreiras-21-04-2018
Antônio Galdino.
Antonio Galdino
Enviado por Antonio Galdino em 21/04/2018
Alterado em 26/11/2018


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras