galdinoalves

poesias

Textos


QUASE QUE...
PV
Quase entrei num rabo de foguete
Por causa de um belo rabo de saia,
Um brotinho de shortinho e corpete
Desfilando bem aqui na minha praia,
A gatinha olhou pra mim e sorriu,
Como quem diz se gostou do que viu,
Pode levar, não é “sulanca”, é cambraia!


Parei conferi, e já bem excitado,
Mais que convencido me aproximei,
E pela gostosona fiquei gamado!
É hoje que me acabo; eu pensei,
E da boneca fui me engraçando,
Confesso, eu já estava babando...
A boneca era traveco, me enganei!


Barreiras-BA-14-01-2016
Antônio Galdino.

 
Convém abrir bem o olho ...
E por a barba de molho ...
Não chupar manga com febre ...
Nem comer gato por lebre ...


Por-Galdino.

Obrigado meu poeta,
eu confesso que vacilei,
pensei que era boneca,
era taveco, me ferrei!


Por- Adílio dos Santos Lá dVisconde
Quem olha só co'a tesão/
Pode mesmo trupicá/
Vai seco sem oiá/
Seja Anjo ou Sombração.


Por- Galdino.

Obrigado meu poeta.
As aparências enganam,
e o barato sai bem caro,
pra aqueles  que não pensam!



 
Antonio Galdino
Enviado por Antonio Galdino em 15/01/2016
Alterado em 15/03/2019


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras